Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de quem já não vai para novo

...porque as palavras são a voz da alma.

Diário de quem já não vai para novo

...porque as palavras são a voz da alma.

26.02.24

Dar NOS a quem ainda tem os dentes todos


a. almeida

Mudar, não mudar, eis a questão. Por outras palavras, "quem está no inferno está por conta do diabo".
Ao fim de mais de uma dúzia de anos, mudei o meu serviço de televisão, internet e telemóvel da MEO para a NOS.

O processo passa por uma boa dose de paciência para atender as chamadas das diferentes operadores que parecem combinar o mesmo dia para o efeito, invariavelmente informando que é o último dia do prazo estabelecido para uma adequada rescisão ou renovação.
O primeiro contacto foi precisamente da MEO, a dar o alerta. Preferindo a renovação, pedi a sua melhor proposta. Para um serviço que começou há quase dois anos com o preço de 62,99 euros foi subindo, subindo, o contrato foi sempre alterado de forma unilateral, ao que dizem legalmente, e está neste momento em 67,59 euros (paguei hoje a factura de Fevereiro). Quanto à nova proposta, com as mesmas condições de serviço, diz-me a MEO que nem mais nem menos, 78,00 euros. Sim senhor!

Obviamente fiquei de consultar a concorrência na certeza de que não aceitaria tal proposta, no mínimo uma desconsideração, certamente na expectativa (deles) de depois de regatear como numa tenda em Marraquexe, ficar mais ou menos no mesmo.
Não esperei muito pois pouco depois surge o contacto da NOS. Blá, blá, blá, com ares de quem me conhece desde pequenino, e sempre sem termos a certeza de estarmos a falar com alguém directamente da operadora ou de empresa que, como na mais velha profissão do mundo, vai com todos. Mas confiando, acabei por aceitar, pedindo o envio para o email, uma proposta com melhores condições de serviço e melhores condições técnicas e pelo preço de 63,99 euros, ainda com desconto de 1 euro/mês por adesão ao débito directo e ainda com a primeira prestação de oferta. Feitas as contas, mesmo que à Guterres, quase 15 euros de diferença.

A MEO, como se esperava, voltou a ligar, por duas vezes, já com falinhas mansas, mas já veio tarde. Na minha terra diz-se que "ovelhas não são para mato". Um pouquinho mais de consideração para um cliente que não é só um número, e que em mais de uma dúzia de anos nunca atrasou o pagamento de uma factura, exigia-se mais. Mas, verdade se diga, aos operadores dos call center pouco importa se sim ou não. Mais cliente menos cliente. De manhã liga-nos o o Manuel, à tarde o Edson e à noite a Vanessa. Vamos nessa! Mas, a sério, lamento mesmo que a MEO não tenha tido mais consideração neste processo de renovação, logo no primeiro contacto, de forma objectiva. Poderia ter ficado por ali.

Quanto à Vodafone, recebi uma chamada por um número que o meu telemóvel, com cores à Benfica,  alertou como sendo suspeito e pouco recomendável, pelo que depois de ver recomendações de quem já recebeu chamadas deste contacto, melhor foi não atender. De resto, tinha prometido a mim mesmo que devido a um certo anúncio da Vodafone, mesmo não sendo de preconceitos, assentei que não seria chinelo para o meu pé, porque uma operadora de telecomunicações deve limitar-se a publicitar serviços condizentes e deixar os moralismos para quem de direito. 

Assentes as coisas com a NOS, o comercial já apareceu lá em casa para assinatura presencial e o técnico já esteve hoje a proceder à ligação/montagem, que incluiu a substituição do cabo de fibra, já que o existente estava a desfazer-se junto ao poste. Disse-me, e bem, que etica e profissionalmente não poderia fazer a ligação mantendo aquele cabo nitidamente deteriorado, pelo que fez o que tinha a fazer, mesmo que ocupando mais de uma hora de serviço.
Quanto ao resto, router do melhor, Box XPTO, aparentemente tudo muito profissional, mas uma manhã perdida no emprego a acompanhar o técnico.

Sei, todavia, que nestas coisas, como qualquer batalha que se preze, há sempre prós e contras, como quem diz "mortos e feridos". Assim o meu router era pró fraquinho mas bom na radiação do sinal wi-fi, da Cave para o piso superior, o que já verifiquei que este novo não cumpre. Lá terei que investir em repetidor de sinal.
Os canais TV, chegam e sobram mas há sempre um outro que fica pelo caminho mas que dizem que podem activar. A ver vamos.

Agora a tarefa da portabilidade dos números de telemóvel, a devolução da Box à MEO e o risco de se receber facturas do serviço entretanto rescindido (tarefa a cargo da nova operadora). Dizem que não haverá problema, mas caso receba alguma factura que informe que será feita nota de débito. A ver vamos.

Em suma, estas coisas acabam por ser sempre chatinhas e nem sempre as vantagens são óbvias. Como está na moda dizer, a pretexto de tudo e de nada, é sempre complicado sair da zona de conforto e deixar um serviço para iniciar outro. Burocracias, ligações, etc,etc. Tudo em nome de alguma poupança que tantas vezes, contas bem feitas, acaba mesmo por não compensar.

Obviamente, e dito ainda sem experimentar, desejo e espero que tudo corra bem, mas sendo alguém que já não vai para novo, e já com muitos filmes vistos, nada me surprenderá se surgirem umas cascas de banana no percurso e certas coisas não ficarem tão bonitas na fotografia como as que me pintaram no processo de negociação. 

Resumindo e concluindo, isto é como nos governos: Mudam-se os partidos e os políticos mas, como no inferno, estamos sempre por conta do diabo. É o que é!

1 comentário

Comentar post